Vice-ministro da Economia e Indústria renuncia por adultério

Vice-ministro da Economia e Indústria renuncia por adultério

O primeiro-ministro Shinzou Abe está com problemas no seu Ministério. No dia 10 de março último o então Ministro da Reconstrução, Shunsuke Mutai renunciou por ter ido a Fukushima sem galochas num dia de chuva. Pediu um subordinado para levá-lo na corcunda (!) para não sujar os sapatos, e como se não bastasse, disse numa festa que os fabricantes de galochas devem estar ganhando muito dinheiro nas regiões atingidas pelo maremoto.

Primeiro Ministro Abe tem dores de cabeça com o seu Ministério

 

Depois, foi a Ministra de Defesa que foi pega mentindo. Disse que há dez anos não fala nem nunca teve relação com Kagoike, o dono da Escolinha de Osaka que comprou o terreno do governo por uma pechincha. Na verdade ela já tinha sido seu advogado. A oposição mostrou a evidência em plena sessão do Congresso Nacional.

O atual Ministro da Reconstrução gritou com um jornalista recentemente e mandou ele se retirar da sala de entrevista e não voltar nunca mais. Ele só queria saber se o governo não estava sendo irresponsável ao cortar a ajuda às vítimas da explosão da usina nuclear de Fukushima.

O Ministro da Justiça é tão despreparado para o cargo que não fala coisa com coisa ao ser interrogado no Congresso sobre a lei contra o terrorismo que o governo quer aprovar de qualquer jeito, e que vai permitir prender pessoas por crimes que ainda não foram cometidos. Parece filme de ficção científica.

O seu pai também teve que renunciar ao cargo de chefe do Gabinete por problemas de adultério

O mais recente mico do ministério de Abe é o escândalo envolvendo o vice-ministro da Economia e Indústria, Toshinao Nakagawa, 46, que também é deputado federal pelo partido do governo, o PLD.

Terceiro na hierarquia do poderoso Ministério, ele foi denunciado por um semanário de notícias “Shukan Shinchô”, que está à venda desde o dia 20 de abril. O escândalo é que ele tem uma relação bastante intensa com uma amante com a qual realizou até uma cerimônia de casamento em Havaí. Acontece que ele é casado e pai de três filhos. A esposa está doente e internada há algum tempo.

A revista diz que a amante terminou com ele e ele ficou perseguindo-a e fazendo cenas de stalker: esmurrando a porta do apartamento dela que  até teve que chamar a Polícia.  Um mico!

Ele renunciou ao cargo de vice-ministro antes mesmo da revista ir às bancas, no dia 18 de abril. A oposição acha que só isso não basta. A líder do maior partido de oposição, o Min-shin-tô (partido Democrático Progressista) foi a público no dia 20 de abril pedindo que ele renuncie ao cargo de deputado federal:”Ele não tem a menor condição de representar os anseios da população!”, esbravejou.

O presidente do partido Komeitô (Partido Budista, que compõe aliança com PLD no governo), também criticou o ex-vice-ministro publicamente. E o seu partido está fazendo pressão para que ele, pelo menos, peça desligamento do partido.