Presa Mulher que matou bebê de um ano dando água com sal...

Presa Mulher que matou bebê de um ano dando água com sal na creche

COMPARTILHAR

A Polícia de Iwate-ken anunciou que prendeu no dia 11 de julho último, Naoko Yoshida, 33 anos, por suspeita de assassinato de uma criança de um ano de idade, dando água misturada com sal ao bebê.
O crime aconteceu no dia 17 de agosto de 2015, entre 17:10 e 18:05, e a funcionária da creche só veio a ser presa quase dois anos depois do crime. A vítima é Ako Shimozaka, que tinha apenas um ano de idade quando o crime aconteceu.
A creche não tinha registro oficial e quando aconteceu o incidente, só a suspeita Naoko Yoshida e a vítima Ako Shimozaka estavam na creche. O estabelecimento foi inaugurado em julho de 2015 e fechou suas portas logo após o incidente.
Os pais de Ako foram buscar a sua filha na creche na madrugada do dia 18 de julho e logo depois, ela começou a vomitar e passar mal. Foi levada imediatamente para o hospital por volta das 01:00 da madrugada do dia 18, e veio a falecer cerca de três horas e meia depois.
O Hospital comunicou à Polícia que “foi trazida uma criança envenenada com água misturada com sal”.

A creche funcionava sem registro oficial e foi fechada logo após o incidente

O sal misturado na água é facilmente absorvido pelo corpo e pode ser fatal com apenas algumas gramas, dependendo da constituição física da pessoa. Eiki Taniguchi, diretor do Centro de Apoio Perioperatório do Hospital Toubu Byouin de Yokohama, declarou que uma colher de chá cheia de sal, contendo cerca de 5 a 6 gramas de sal, e misturado na água, pode levar uma criança de um ano à morte. O risco se torna muito maior misturando o sal na água, pois o cloreto de sódio é absorvido imediatamente pelo intestino, causando insuficiência cardíaca e edema pulmonar. O excesso de sódio no sangue causa arritmia, e em alguns casos pode levar à morte.
A suspeita, Shimozaka, admite ter dado água com sal à criança, mas diz que não teve intenção de fazer mal à ela. A Polícia está investigando a motivação que teria levado a suspeita a cometer o crime.
Os pais da Ako-chan emitiram uma declaração dizendo que “Finalmente, com a prisão da suspeita, podemos vir a saber a verdade do que aconteceu no dia da morte da nossa filha. Apesar de ela não poder voltar mais, o que quer que seja feito, através da prisão e julgamento da suspeita, queremos que casos semelhantes não venham a aconteçer nunca mais”.