Polícia investiga instituição que deixou deficiente mental no veículo fechado até morrer...

Polícia investiga instituição que deixou deficiente mental no veículo fechado até morrer de insolação

COMPARTILHAR

A Polícia de Saitama-ken anunciou que começou a investigar, no dia 15 de julho último, a instituição Cosmos Earth, que cuida de deficientes mentais no Município de Ageo-shi, em Saitama, por suspeita de ter causado a morte de um paciente por negligência nos seus serviços.
Na manhã do dia 13 de julho, quinta-feira, um carro da clínica foi buscar um deficiente mental, de 19 anos, com autismo,em sua casa para levá-lo à instituição junto com outros quatro pacientes.
O carro chegou à clínica por volta das nove horas da manhã, e todos os pacientes foram levados do carro para o interior da clínica de deficientes. Todos, menos a vítima, que tinha autismo.

Deficiente mental foi esquecido dentro do carro e morreu de hipertermia

Às 15:25 do mesmo dia, uma funcionária da instituição Cosmos Earth telefonou para o Corpo de Bombeiros (emergência 119) dizendo que um paciente estava caído dentro do carro da clínica espumando pela boca.
O rapaz já estava com suas funções do sistema cardiorrespiratório paralizadas quando a ambulância chegou e sua morte foi confirmada no Hospital a que foi levado imediatamente. A vítima estava com a temperatura do corpo de 41.4 oC na hora que foi retirado do veículo, e suspeita-se que ele tenha morrido por hipertermia (doença com sintomas muito parecidas com insolação, que pode levar a vítima à morte por aumento de temperatura interna do corpo, causado por exposição ao sol ou outro motivo qualquer). O Município de Ageo-shi registrou, neste dia, a temperatura máxima de 33.1 oC por volta do meio-dia.
O rapaz ficou preso dentro do carro durante mais de seis horas, sem condições de sair por conta própria do veículo, pois este estava trancado de forma que não fôsse possível abrí-lo por dentro do carro.
A Polícia presume que o motorista da instituição tenha esquecido de tirá-lo do carro da clínica e levá-lo para dentro do hospital.
Na hora do almoço, alguns funcionários perceberam que o paciente não estava presente, mas ninguém se deu ao trabalho de ir procurá-lo ou entrar em contato com outros funcionários para saber o que acontecera.

Os pais da vítima querem saber “por que o nosso filho teve que permanecer durante tanto tempo, sofrendo dentro de um veículo quente”.
O rapaz não precisava de ajuda para fazer as suas tarefas do cotidiano da vida diária, e começou a frequentar a clínica em abril deste ano.
A Cosmos Earth é uma instituição com capacidade para atender 40 pacientes com deficiência mental ou intelectual. Na noite do dia 13 de julho, o diretor da Cosmos Earth respondeu às perguntas da imprensa e disse que seus “funcionários falharam por não terem checado se todos os pacientes haviam sido tirados do carro da clínica”.

O diretor do Cosmos Earth tentou se explicar dizendo que seus funcionários são muito ocupados e o motorista teve que fazer tudo sozinho