Japão: treinamento contra desastres naturais e terrorismo para estrangeiros

Japão: treinamento contra desastres naturais e terrorismo para estrangeiros

COMPARTILHAR

TOKYO Japão reforça suas medidas anti-terrorismo com um foco especial na proteção de residentes e visitantes estrangeiros durante a Copa do Mundo de Rugby de 2019 e os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio em 2020.

O Secretariado do Gabinete realizou recentemente um exercício de combate ao terrorismo em Quioto, que incluiu orientações de evacuação para estrangeiros. A antiga capital do Japão atrai mais de 3 milhões de turistas do exterior todos os anos.

O treinamento incluía uma simulaçnao de um ataque terrorista com gás sarin, no interior do prédio do Racecourse de Kyoto. Os participantes “tinham que escapar” do edifício.

“Fique calmo, continue devagar”, disse um policial em japonês. – Alguém está doente? – perguntou outro. Assistidos por intérpretes voluntários e outros cidadãos, os participantes estrangeiros fizeram o seu caminho através de uma barraca de descontaminação e receberam marcas de triagem indicando a gravidade da sua exposição ao gás antes de embarcarem num ônibus para um centro de evacuação.

Uma vez no centro, estes participantes responderam às perguntas de um médico na presença de intérpretes.

Takashi Ito, o conselheiro do gabinete que organizou o treinamento, disse: “Podemos confirmar que tipos de programas são eficazes para a evacuação e tratamento médico de estrangeiros quando um ataque terrorista químico ocorre”.

Os combinados esforços públicos e privados ajudaram a aumentar o número de turistas estrangeiros que visitam o Japão para um máximo histórico de 24 milhões em 2016. O número de residentes estrangeiros no Japão também subiu para um recorde de 2,3 milhões.

Como o número de estrangeiros no Japão cresce, terremoto e outros exercícios de desastre natural em todo o país estão cada vez mais incluindo apoio para as pessoas que não falam japonês.

Mas os desastres naturais, embora devastadores, geralmente seguem padrões bastante previsíveis, com a situação tendendo a se acalmar após o evento inicial.

O curso dos acontecimentos após um ataque terrorista, em contraste, é muito menos previsível, não menos por causa da possibilidade de ataque adicional. A natureza invisível das armas químicas ou biológicas, além disso, pode amplificar o medo das pessoas, provocando reações caóticas que são diferentes das que seguem um desastre natural.