Enfermeira colocava sonífero em chás e cafés de suas colegas para matá-las...

Enfermeira colocava sonífero em chás e cafés de suas colegas para matá-las em acidentes de trânsito

COMPARTILHAR

A Enfermeira prática licenciada Aiko Hatano, de 71 anos, que trabalhava numa instituição para idosos, no Município de Sakura, Chiba-ken, foi presa no dia 11 de julho último por tentativa de assassinato de um casal,  misturando sonífero no chá que ofereceu ao marido da sua colega de trabalho de 69 anos.
O marido da colega, de 71 anos, que veio buscar a sua esposa de carro para levá-la para casa, depois de tomar o chá oferecido pela Aiko, sofreu um acidente grave de trânsito, ferindo gravemente o casal, além de ferir o motorista do carro com o qual se chocou, de 56 anos.
O carro em que viajava a sua colega, dirigido pelo seu marido, havia entrado na pista contrária. O acidente aconteceu no dia 15 de maio último.

Além do crime pelo qual foi presa, aiko pode ter provocado um outro acidente que matou uma colega sua de trabalho

O crime veio à tona através da denúncia de uma outra colega, na faixa dos trinta anos, que viu Aiko Hatano colocar um líquido estranho em seu café. Ela achou a atitude suspeita e colocou o seu smartphone para gravar. O vídeo que ela conseguiu gravar, mostra claramente a enfermeira colocando um líquido no seu chá. O conteúdo químico do chá foi analisado e foi constatado a mistura de sonífero poderoso. Ela afirma ter se sentido dopada pelo menos em outras cinco vezes durante o trabalho.
Através de investigação da Polícia, descobriu-se que é bem possível que uma outra colega, que morreu em fevereiro último em um acidente de trânsito no caminho de volta para casa do trabalho, tenha sido assassinada por Aiko, através de sonífero misturado a alguma bebida que ela tenha tomado.

Outras colegas de trabalho também testemunharam que se sentiram dopadas durante o trabalho na clínica geriátrica.
Aiko Hatano já confessou que colocava soníferos nas bebidas de suas colegas, mas nega que tenha tido intenção de matá-las.
Todos os vizinhos que a conhecem se sentiram surpresos com a prisão de Aiko, que é casada e sempre foi honesta e prestativa, segundo os vizinhos. Eles disseram que ela havia contado que tinha câncer e trabalhava para poder pagar o tratamento.