Coreia do Norte escraviza seus dekasseguis para construir mísseis e armas nucleares

Coreia do Norte escraviza seus dekasseguis para construir mísseis e armas nucleares

COMPARTILHAR

O líder norte-coreano Kim Jong-un, chamou os EUA de país que tem lógica de gangster e ameaça países soberanos com seu poderio militar. Mas o que a Coréia do Norte faz com o seu próprio povo é algo de indescritível até para um gangster.

A nação dominada pelo regime ditatorial de Kim Jong-un, manda uma verdadeira “população” de dezenas de milhares de “dekasseguis” para trabalhar em cerca de 20 países. Eles são forçados pelo governo a ir trabalhar nesses países sem ganhar praticamente nada, num verdadeiro regime de escravidão.

As mulheres também são mandadas como “dekasseguis” para viverem a pão e água

Praticamente tudo o que é pago pelos governos dos países onde trabalham, vai para a “empreiteira estatal” de Kim Jong-un. Para os trabalhadores norte-coreanos sobra alguma coisa entre 120 a 150 dólares por mês. Uma verdadeira escravidão moderna, principalmente se levarmos em conta que os trabalhadores só tem duas folgas por ano: No aniversário de Kim Il-sung e de Kim Jong-il, o avô e pai do líder atual Kim-Jong-un, respectivamente.

Grande parte dos “dekasseguis” norte-coreanos são levados a trabalhar na gélida Sibéria, em trabalhos de lenhador, por exemplo, e vivem precariamente em casas muito toscas. Segundo reportagem feita pelo BBC de Londres, muitos morrem de frio e fadiga, ou por falta de tratamento médico.

Este norte-coreano trabalha na solda de navios em estaleiro da Polônia

Os outros países para qual são mandados são: Polônia, China, Mongólia, Myanmar, Argélia, Kuweit, Líbia e Nigéria. Na República Checa, são as mulheres norte-coreanas que fazem longuíssimas jornadas de trabalho em fábricas de tecidos. É difícil se ter dados exatos de quantos norte-coreanos estão trabalhando fora do seu país. Algumas fontes falam em 50 mil, outras em 100 mil, mas há informações também que o número de trabalhadores norte-coreanos no exterior chega a 300 mil.

A verdade é que Kim Jong-un leva centenas de milhões de dólares com essa “exportação” de mão-de-obra barata e obediente. E é sem dúvida uma fonte de divisas importante para ele gastar em desenvimento de mísseis e armas nucleares.