Transtorno de Ansiedade: Entenda o que é e quais precauções tomar

Transtorno de Ansiedade: Entenda o que é e quais precauções tomar

A perto no peito, frio na barriga, dificuldade de engolir ou urgência em urinar, podem indicar transtorno de ansiedade. Ansiedade é uma sensação desagradável, de inquietude, de agonia ou desconforto emocional que reflete em sensações físicas como palpitação, transpiração, aperto ou dor no tórax, sensação de “frio na barriga”, dificuldade de pegar no sono ou sono leve, confusão emocional, sensação de desmaio, boca seca, dificuldade de engolir, urgência de urinar ou defecar, entre outros sintomas associados à disfunção do sistema nervoso autônomo.

A ansiedade é normal para todas as pessoas dentro dos limites em que não se prejudique ou atrapalhe o seu viver do dia-a-dia. Todas as pessoas têm uma certa porção de ansiedade. Como exemplo, ansiedade por uma entrevista ao trabalho, à prova escolar, à viagem programada, ao dia de uma festa importante e assim por diante. Uma ansiedade saudável é quando ela é canalizada para  objetivos reais dentro das possibilidades de cada indivíduo a saber aproveitar o bom fruto do momento, positivamente. Por exemplo, estar ansioso para uma entrevista de trabalho ou prova escolar: identificar a causa da ansiedade e propulsioná-la para o melhor de si, preparando-se (programando-se em horários, esforçando-se com estudos dirigidos) para o evento.


Ansiedade patológica e seus sintomas

A ansiedade torna-se patológica, isto é, anormal ou doentia quando essas situações, emoções ou pensamentos causam sintomas físicos exagerados e que interferem ou até bloqueiam a vida da pessoa. Segundo Dr. Cesar Vasconcellos, médico psiquiatra, ansiedade é como a temperatura; todos têm ansiedade como têm a temperatura corpórea. O normal é por volta de 36,5ºC. Quando o indivíduo tem infecção (ou inflamação) a temperatura aumenta e passa a ter febre. A ansiedade anormal é como a febre; indica que o emocional está com “infecção” e que “algo está fora do seu controle”.

Uma pessoa com ansiedade excessiva tem

  • Expectativa exagerada (ex.: este meu encontro vai ser tudo do bom e do melhor, todos vão perceber que sou diferente, vão gostar de mim, o clima estará maravilhoso, etc.);Pensamento distorcido (ex.: quando entrei no trem, todos olharam para mim e só pensaram mal de mim, que eu estava mal vestida, mal arrumada, que sou feia, etc.);
  • Supergeneralizado (ex.: nunca tive um bom relacionamento humano no trabalho, logo, não terei também neste novo emprego);
  • Insegurança e baixo autoestima.
  • O medicamento ansiolítico (koufuanzai, em japonês) ajuda parcialmente a aliviar a ansiedade. No Japão só pode ser adquirido com prescrição médica. Mas é muito importante uma abordagem de um profissional psicológico para ajudar a:
  • Identificar em que situações a ansiedade aumenta;
  • Desmascarar as crenças de pensamento distorcido (terapia cognitiva comportamental);
  • Exercitar a substituição de pensamentos negativos por pensamentos saudáveis;
  • Não ficar focada apenas em aspectos negativos da vida;
  • Perceber se não está havendo “ganho secundário” inconsciente (consegue receber mais atenção dos pais, dos filhos, dos amigos, por estar doente).

O que pode ser feito de imediato por si

  • Ter cuidado na linguagem viciosa ou negativa (ao invés de falar várias vezes por dia, sou doente, sou ansiosa, sou estressada, etc. dizer estou doente, estou ansiosa, pois isto significa que é um estado do momento e que vai passar, projetando uma mudança).
  • Evitar alimentos que propiciam ansiedade (chocolate, cafeína, açúcar refinado, etc.);
  • Evitar situações ou hábitos que atraiam ansiedade (filmes e programas de televisão de suspense ou grande expectativa, locais determinados significantes para a pessoa que a induza na sensação de ansiedade, etc.).
  • Treinar o relaxamento (com respiração tipo abdominal, imaginar paisagem que tranquilize, etc.).
  • Orar, fazer caminhada, tomar sol (10 a 15 minutos por dia são suficientes).